Páginas

domingo, 3 de novembro de 2013

Coisas de Grazi: Você Pode me atender?

Oi galera, me desculpem pela demora, outra vez, minha vida está meio confusa esses últimos tempos, mas enfim, sei que tenho feito vários relatos pessoais aqui e, hoje não vai ser diferente, sinto muito, hehe.
Já contei pra vocês que sou de uma cidade do Mato Grosso, de aproximadamente duzentos e cinquenta mil habitantes, que é um lugar muito quente e que a maioria da população é preta. Todavia, o que eu não disse é que essa cidade tem me pregado algumas peças ultimamente, algumas delas já relatadas em posts anteriores, vou dizer a última agora.
Há um mês, aproximadamente, botei esse meu turbante roxo e fui ao supermercado comprar um bolo pra fazer uma festinha surpresa pra uma amiga, cheguei à padaria do estabelecimento e chamei uma moça que lá trabalhava pra que me tirasse uma dúvida sobre a decoração dos bolos, a menina me olhou e fingiu não perceber que eu a chamava, eu, como sou muito persistente, tentei a mesma manobra com outra vendedora, ingênua Grazi, a menina estava de costas quando a chamei, ela se virou e ao me ver, tomou um ar grave no rosto e virou-se novamente.
Eu esperava uma amiga, cúmplice na festa surpresa e, como as pessoas se recusavam a falar comigo dentro do mercado, resolvi esperar minha colega na entrada do lugar onde não havia nenhum segurança, até eu chegar! Gente, foi uma coisa incrível, eu nunca tinha passado por nada do tipo, dois seguranças encostaram ao meu lado e não tiravam os olhos de mim durante todo o tempo que estive ali, desculpem-me, mas isso não pode ser coincidência.
Enfim, minha amiga chegou, e entramos novamente no mercado, curiosamente, os olhares enviesados cessaram e fomos muito bem atendidas, atribuo a mudança de comportamento ao fato de minha amiga ser branca e loira, vocês podem me perguntar: mas, preta, por que você comprou no mercado? Bem, eu não comprei o bolo lá, mas quis passar pelo caixa pra ver se seria bem atendida dessa vez, e fui, o que só comprova o preconceito de momentos atrás. Eu confesso que não me acostumo com essa situação, não que ache que deva me acostumar, honestamente, me sinto cada vez mais indignada quando sei ou passo por situações assim. Chega de racismo. Chega de preconceito.


Um comentário:

  1. Não sei quando as pessoas irão amadurecer e deixar de preconceito doentio.
    Você fez certo em fazer a compra lá Grazi, afinal de contas não deve nada a ninguém e iria pagar para levar a mercadoria para sua casa. Não devemos dar gosto a gente desse tipo, fazendo o que ela deseja. Levantemos pois a cabeça, esse tipo vai ter que suportar nos atender, querendo ou não.
    É numa dessas que eu embelezo bem meu rosto(expressão facial), fico com ar sorriso e não deixo de querer respostas até se convencerem de quem está ali é uma pessoa.

    ResponderExcluir